(OVERBOOKED) Panoramania

This Site Has Been Archived

You're browsing an archived site from the 2011 Urbansketchers Symposium. This site is no longer active. Login and comments have been turned off to prevent spam comments and user registrations. Feel free to look around, though. Don't forget to visit our main site at urbansketchers.org for all future Symposium plans as they develop.

  • Location: Elevador de Santa Justa
  • Primary workshop languages: English and Italian. We will try to facilitate translation to Portuguese.

I have always been fascinated by last century painted or engraved circular panoramas. Even now, that we can easily create one with a digital camera, I love drawned panoramas, where it is possible to select informations and underline most important or beloved spots. With colors or with annotations, panoramas and drawned maps are a good way to capture the spirit of a city. Drawing can be detailed or just a quick draft, depending on time or personal choice. 

In the above panorama of Lago d'Averno in Naples, only two monuments (Terme di Apollo on the right and Baia castle in the background), have been highlighted with color. I made two circular panoramas of Naples, one in black&white (2,5 mt x 12 cm on a Japanise Moleskine pocket) from Quartieri Spagnoli and another in watercolor (4 mt. x 30 cm, in 10 sheets of papers) from via Marina.

Lisbon has lots of fabulous viewpoints or Miradouros. Can we make a circular portrait of the city in 3 hours? Another option is to make a collaborative one, dividing the 360° in sections, to be connected. Let's meet at the Elevador with a Japanese Moleskine for an ink view or with a handmade long stripe of watercolor paper to draw or paint the best (and fastest) circular Lisbon panorama ever done.  

*Note that the word Panorama was coined by Robert Barker in 1792 to describe his paintings of Edinburgh, another city with hills, so well represented in last Chomet's film The Illusionist. Check also Panographia, a collaborative game that arrived in Naples too.

Sempre tive uma fascinação, desde pequena, pelas pinturas ou gravuras do século passado de panoramas circulares. Mesmo nos dias de hoje quando é possível a qualquer um fazê-lo com um aparelho digital, eu adoro os desenhos onde é possível seleccionar informações ou sublinhar os sítios mais importantes ou preferidos. Com cores ou anotações, panoramas e mapas desenhados são uma boa maneira de capturar o espírito da cidade. O desenho pode ser detalhado ou um esquiço rápido dependendo no tempo disponível ou nas preferências pessoais.

Neste panorama do Lago de Averno em Nápoles, somente dois monumentos ( Terme di Apollo a direita e castelo de Baia no fundo foram realçados com cor . Eu fiz dois panoramas circulares de Nápoles, um a preto e branco (2,5 mt x 12 cm num Moleskine Japonês de bolso) do Quartieri Spagnoli e outro em aguarela (4 mt. x 30 cm, em 10 folhas de papel) da via Marina.

Lisboa tem Miradouros e pontos de observação da cidade fabulosos. Será que podemos fazer um desenho circular da cidade em 3 horas? Outra opção será de fazer um desenho de colaboração dividindo os 360º em secções que serão interligadas. Venham encontrar-me no Elevador com um Moleskine Japonês  para um desenho em tinta ou com uma longa tira de papel feita a mão em papel de aguarela para desenhar ou pintar o melhor (e mais rápido) panorama circular de Lisboa alguma vez feito.

*Notem que a palavra Panorama foi utilizada por Robert Barker em 1792 para descrever as suas pinturas de Edimburgo, outra cidade com colinas, muito bem representada no ultimo filme de Chomet The Illusionist. Ver  Panographia, um jogo colaborativo que também chegou a Nápoles.

Simo Capecchi